A brisa

Posted on quinta-feira, 20 de março de 2014 by Ewerton Fintelman | 0 comentários

Não ame
Desculpe a incapacidade
Se quer nossa felicidade
Deixe tudo como está

Vamos viver um dia de cada vez
Sem precisar me lembrar toda hora
Deixe que eu vá embora
Depois voltarei pra te ver

Se em seu peito existe uma chama
No meu há serenidade de uma brisa
Calma, leve, onde a vida
É doce como o mel da cana

Mentir eu não vou muito menos 
Forjar sentimento ou vontade
Te dou minha realidade
Mas fico devendo o amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário