Piada Eleitoral I: As Privatizações

Posted on terça-feira, 19 de outubro de 2010 by Ewerton Fintelman | 0 comentários
Marcadores:


Não escondo de ninguém a minha posição política a favor da direita neoliberal. Sou filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e muito realista quando o assunto é política. Romances eu deixo para poemas, contos, fábulas e afins.

Quando a realidade bate à porta, não dá pra ser romântico ao ponto de dizer que tudo deve ser igualmente compartilhado, que não pode haver pobreza, que o mundo é desigual etc. É um discurso ridículo. Imaginem se todo o mundo tivesse o mesmo patrimônio e ganhasse o mesmo dinheiro. Ninguém certamente iria querer trabalhar pra ninguém, afinal se todo mundo é rico, vai trabalhar pra quê?

O discurso socialista embala muito bem os pseudopatriotas que acreditam que o Brasil vai se desenvolver baseado num governo de extrema esquerda, como prega o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e seus adeptos. Ora, se em Cuba, onde o regime socialista atraiu olhares e discussões de cientistas políticos e sociais , a rubra fortaleza já sente o tremor de seus pilares, imagine um regime socialista implantado no Brasil.

O PSOL é uma piada para a política brasileira. Prega um romance como cartilha de regimento. Quem lê o estatuto do partido se sente lendo um conto de fadas ou um dos sucessos do escritor francês Júlio Verne. Mais piada que o PSOL é o Partido dos Trabalhadores (PT), que se denomina esquerdista como PSOL, mas possui um governo de direita moderada. Isto já é uma contradição, mas nada é mais ambíguo que se autointitular comunista, ser direitista e criticar a direita. É como se eu vestisse a camisa do Palmeiras, torcesse pelo Corinthians no meu interior, mas falaria mal do Corinthians. O futebol possui mais bom senso.

O ápice dessa piada petista são os ataques baratos às privatizações do governo FHC. Eu duvido que alguém que é contra as privatizações vive sem celular. Duvido mais ainda que o Brasil seria autosuficiente em petróleo sem o capital privado. Ir contra as privatizações é uma manipulação barata da mídia. É um falso patriotismo. Se a Vale, Petrobras, Eletrobras são estatais ou não, o que o cidadão brasileiro como eu e você ganha ou deixa de ganhar? Mais contraditório é saber que muitos petistas possuem alto número de ações na própria Petrobras. Disso você não sabia, não é mesmo?

A candidata a presidência da república Dilma Rousseff declarou no debate do último domingo, realizado pela "Rede TV!", que o candidato tucano José Serra teria intenção de privatizar o pré-sal. Ora pois, e qual seria o próximo processo, privatizar o Amapá? Piauí? Maranhão? Vamos privatizar os estados? Podemos também privatizar a costa brasileira? Entrem, saqueiem, pilhem à vontade! Ora, candidata Dilma, não fica bem para a senhora esse tipo e absurdo. O que tinha de ser privatizado já foi.

São dados estatísticos e não "disse-me-disse": antes das privatizações existiam 7,37 milhões de celulares no Brasil. Hoje são 190 milhões. Quando a Telebras era estatal, celular era um artigo de luxo. Isso porque o PT acusa o PSDB de ser um partido elitista, não é? A Vale quando foi privatizada produzia 114 milhões de tonelada de minério de ferro ao ano. Hoje são 300 milhões. O lucro líquido aumento 1249%. É escandaloso! E a Petrobras? Por que a Petrobras crescia 118% durante o governo FHC e agora só cresce 38%*? De elefante branco no Brasil já não basta os sanguessugas do congresso nacional.

*: dados estatísticos baseados na revista Veja, edição 2187, ano 43, número 42, 20 de Outubro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário